O FS PRO BRASIL SEVER além de ser um blog é também um servidor para você poder voar no seu FS2002, FS9 e FSX. Um servidor com moderador onde você não terá problemas em voar.
Para você voar conosco online no FS PRO BRASIL SERVER
Certifique-se que suas portas 23456, 6073, 2302-2400 e caso use Fsnavigator 23432 estajam abertas e todoas UDP/TCP
Use o IP: fs9.no-ip.org
**TS3 IP fs9.no-ip.org
**RAIDCALL:Atcfsprobrasilserver ID: 3028237

Brasil Server (Não Tem mais ATC) tem Moderador

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Sorocaba se firma como alternativa a Congonhas



70% do movimento de pousos e decolagens registrados pelo Daesp dizem respeito à aviação executiva, diz comandante
O aeroporto "Bertram Luiz Leupolz" de Sorocaba é a bola da vez como termômetro do crescimento econômico de Sorocaba e região. Dados estatísticos do Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp) registram 44.452 operações de pousos e decolagens no aeroporto de janeiro a agosto de 2011, ante 26.873 operações no mesmo período de 2010 - um aumento de 65,41%. E a grande responsável por essa performance é a aviação executiva, que migrou para Sorocaba a partir do esgotamento dos aeroportos de Congonhas e Campo de Marte, em São Paulo. Como resultado, o aeroporto de Sorocaba se consolidou como alternativa às opções existentes na capital e que não dão mais conta do aumento no volume de voos.

Os reflexos em Sorocaba se estendem também às movimentações de passageiros e de cargas, que igualmente registraram crescimento expressivo. Os dados do Daesp também mostram que, no acumulado de janeiro a agosto de 2011, 54.768 passageiros passaram pelo aeroporto de Sorocaba, ante 37.611 em igual período de 2010 - variação positiva de 45,61%. No mesmo período de 2011, o aeroporto movimentou 225 toneladas de carga, contra 171 toneladas também de janeiro a agosto de 2010 - elevação de 31,57%.

O comandante Walter Santos, diretor da Jet Care Aviation, empresa especializada em gestão de aeronaves executivas e hangaragem de Sorocaba, avalia que 70% do movimento de pousos e decolagens registrados pelo Daesp dizem respeito à aviação executiva. Na sua opinião, o aeroporto local é adequado para jatos executivos de maior porte em comparação com outras opções, até mesmo com Congonhas. Na linguagem dos aeroportos, aviação executiva é aquela composta de aeronaves voltadas à aviação corporativa e uso particulares. Empresas conhecidas como TAM, Gol e Azul operam voos designados como regulares ou comerciais.

Grandes empresários e executivos com escritórios baseados em Alphaville e Tamboré, na Grande São Paulo, por exemplo, podem demorar uma hora ou mais no deslocamento de carro até Congonhas. Daqueles dois locais até Sorocaba, são 12 a 15 minutos de helicóptero, segundo Walter Santos. Em outro exemplo, um empresário que sai da avenida Faria Lima, em São Paulo, tem a liberdade de utilizar o aeroporto de Sorocaba a qualquer hora do dia ou da noite. Enquanto isso, Congonhas abre às 6h e a partir das 22h45 não recebe mais aviões. De Sorocaba, o empresário pode seguir viagem para qualquer ponto do Brasil ou do exterior.

Para se ter uma ideia do esgotamento de Congonhas, o aeroporto paulistano oferece 45 a 46 "slots" (espaços para pouso) por hora. Desse total, sobram apenas quatro "slots" para a aviação executiva por hora e às vezes esse número é menor ainda. Em consequência, operadores de aviação executiva procuram alternativas. Sorocaba é uma delas, e outra, Jundiaí. Outra opção seria usar o Campo de Marte, mas este têm restrições de pista e pátios, além do horário de operações se encerrar às 23h00.

O mecânico aeronáutico Aparecido Carlos Leite, de 47 anos, diz que na oficina onde trabalha entram 5 a 6 aviões por dia para fazer revisões, que podem durar de dois dias até mais de um mês, dependendo do serviço a ser feito. Existem oficinas especializadas em serviços compartimentados, como motores, acessórios, instrumentos.

Quem possui um avião normalmente são empresas ou executivos de grande poder aquisitivo. Funcionários que trabalham no aeroporto calculam que os preços variam de US$ 5 milhões a US$ 30 milhões, conforme o modelo. Quem embarca ou desembarca aqui e tem como destino ou procedência centros empresariais da Grande São Paulo, embora tenha a opção de usar a rodovia Castello Branco em viagem de carro, prefere o uso mais prático e rápido do helicóptero

Sorocaba e Jundiaí

Comparações podem ser feitas entre os aeroportos de Sorocaba e Jundiaí. Na análise de Walter Santos, a pista de Jundiaí, com 1.400 metros de extensão, está limitada a 1.180 metros por conta de obstáculos em uma das cabeceiras. Na outra cabeceira são apenas 1070 metros. Além disso, obstáculos próximos como a Serra do Japi e a altitude da pista (mais alta que a de Sorocaba) interferem na aproximação e na performance das aeronaves. Ele diz que aviões dos modelos Legacy, Falcon Gulfstream e Global Express utilizados em voos intercontinentais, não são recomendados para o aeroporto de Jundiaí. Enquanto isso, o aeroporto de Sorocaba, com pista de 1.500 metros e sem obstáculos de aproximação, tem condições de receber esses modelos de aviões com pouquíssimas restrições. E Sorocaba, além da pista principal, tem pista de táxi adequado à envergadura (comprimento das asas) das aeronaves.

O aeroporto de Sorocaba também é dotado de centro de serviços de manutenção de aeronaves - uma necessidade para os proprietários de aviões. Entre eles, estão os centros de serviços oficiais da Pratt-Whitney Canada, Bombardier, Dassault-Falcon, Gulfstream, Cessna e Hawker-Beechcraft, Na análise de Walter Santos, essa estrutura faz de Sorocaba, hoje, o principal polo de manutenção aeronáutica do país. A Conal também também é tradicional empresa de manutenção de aviões da cidade. Para Walter Santos, este é outro fator que explica a atração dos proprietários de aviões por Sorocaba. "Quem tem um avião desses quer que ele esteja perto da oficina", descreve. Junto ao aeroporto também existe um aeroclube com escola de aviação civil e cursos teóricos e práticos de piloto de avião.

Indústria da aviação

Walter Santos lembra que a indústria da aviação executiva cresceu em média 7% ao ano no Brasil desde 2001. Em 2011, segundo avaliação de outros profissionais ligados ao aeroporto, o crescimento do setor também se deve à estabilização do dólar e à crise nos Estados Unidos. Com o dólar sob controle, sobra mais dinheiro na mão de quem tem recursos e simultaneamente acaba encontrando oferta de aviões a preços mais baixos nos Estados Unidos. "O grande fato é que as empresas nacionais estão tornando-se globais e necessitando de deslocamento rápido, alem do congestionamento dos aeroportos e dificuldade de conseguir passagens internacionais", diz o comandante.